EPI para proteção dos pés: Dicas de como escolher

EPI para proteção dos pés: Dicas de como escolher

Print Friendly, PDF & Email

Quase todos os tipos de trabalho, principalmente os em chão de fábrica e campo, submetem os pés do trabalhador a sérios perigos. A escolha do EPI para proteção dos pés mais adequado é fundamental. Além disso, outros fatores como conservação, higiene e tipo de piso devem ser considerados.

 

Software para controle de EPIs
Software para controle de EPIs: Entrega, distribuição, estoque, treinamentos e avaliação

 

EPI para proteção dos pés

Os riscos potenciais que podem levar a ferimentos no pé e nas pernas incluem objetos que caem ou rolam, materiais esmagadores ou penetrantes, substâncias quentes, corrosivas ou venenosas, riscos elétricos, eletricidade estática ou superfícies escorregadias.
Calçados diferentes protegem de diferentes maneiras. Verifique a rotulagem do produto ou consulte o fabricante para garantir que o calçado proteja o usuário contra os riscos que enfrentam.

Tipos de EPI para proteção dos pés e perna

Diversos são os tipos de EPI para proteção dos pés disponíveis no mercado. Conheça alguns dos principais tipos:

  • Sapatos ou botas de segurança contra riscos de queda, esmagamento ou rolamento.
  • Calçados eletricamente condutores para evitar o acúmulo de eletricidade estática em áreas com potencial para atmosferas explosivas ou não condutores para proteger os trabalhadores de riscos elétricos no local de trabalho.
  • Botas de segurança para trabalho com eletricidade. São calçados isolantes destinados a evitar que os pés dos usuários completem um circuito elétrico ao chão.
  • Botas de fundição. Essas botas de isolam os pés do calor extremo do metal fundido e protege as partes do calçado como ilhós, línguas ou outras peças de sapato contra o aumento de temperatura.
  • Botas impermeáveis ou à prova d’água. Elas ajudam a manter os pés dos usuários secos quando trabalham em condições úmidas.
  • Botas resistentes ao deslizamento. Os calçados antideslizantes têm solas especiais que proporcionam tração em pisos úmidos ou oleosos.
  • Botas termicamente isoladas. Elas mantêm os pés do usuário quentes durante o tempo frio.
  • As perneiras protegem as pernas e os pés dos riscos de calor, como o metal fundido ou as faíscas de soldagem.

A escolha do EPI para proteção dos pés

Ao escolher um EPI para proteção dos pés, considere o local de trabalhando e quais perigos você vai encontrar, como a queda de objetos e perigos químicos. Compre a bota que irá protegê-lo melhor das feridas potenciais de seus perigos específicos no local de trabalho.

Antes de iniciar a escolha do EPI para proteção dos pés, tenha em mente as diferenças entre os materiais, solado e conforto.

Material do EPI para proteção dos pés

O material do EPI para proteção dos pés deve ser baseado em seu ambiente de trabalho e pode ser de um dos seguintes tipos:

  • Couro: EPI para proteção dos pés de couro são resistentes à água, duráveis e de fácil manutenção. Eles são mais pesados e menos respiráveis que as combinações de malha de nylon e couro, mas geralmente duram mais e são uma boa escolha quando trabalham em condições difíceis.
  • Combinação de malha e couro de nylon: O EPI para proteção dos pés feito de uma combinação de nylon e couro são boas para clima mais quente, porque são leves, flexíveis e respiráveis. A desvantagem é que o EPI para proteção dos pés de nylon e couro tendem a ser menos resistentes à água do que as botas de couro.
  • Revestimentos impermeáveis: Os revestimentos à prova d’água são incorporados ao EPI para proteção dos pés. Os forros mantêm a água fora, mas permitem que o suor escape.

Solado do EPI para proteção dos pés

Certifique-se de que as solas do calçado são apropriadas às suas condições de trabalho. O solado pode ser projetado para resistir a deslizamentos e proteger seus pés do calor, punção e choque elétrico.

Conforto e ajuste do EPI para proteção dos pés

As botas de trabalho devem fazer o trabalhador se sentir bem nos seus pés desde o momento em que as colocam. Botas de trabalho mal ajustadas podem resultar em vários problemas nos pés. A caixa do dedo do pé precisa ser suficientemente profunda para que você possa mover todos os dedos dos pés sem sentir pressão.

A importância do conforto do EPI para proteção dos pés

Basicamente existe duas categorias de danos que podem ocorrer nos pés. A primeira e mais óbvia é a queda de objetos pesados, cortantes ou químicos. A segunda, embora não cause necessariamente problemas nos pés, deve ser considerada, que é o escorregão, queda ou desequilíbrio.

Essas duas categorias de lesões no pé, no entanto, não esgotam toda a gama de problemas nos pés no trabalho. Existem também outras condições, como calos, unhas encravadas ou simplesmente pés cansados que são comuns entre os trabalhadores. Embora estes não sejam considerados lesões profissionais no sentido mais estrito, podem ter sérias consequências para a saúde e a segurança no local de trabalho. Eles causam desconforto, dor e fadiga. A fadiga configura o trabalhador para novas lesões que afetam os músculos e articulações.

Além disso, um trabalhador que está cansado e sofrendo de dor é menos alerta e mais propensos a agir de forma insidiosa. Podendo vir a resultar em um acidente ou incidente de qualquer tipo.

O tipo de piso no conforto dos pés

Permanecer ou trabalhar em um piso duro e inflexível pode causar muitos desconfortos. Madeira, cortiça, carpetes ou borracha – qualquer coisa que ofereça alguma flexibilidade se torna mais suave nos pés dos trabalhadores. Onde os pisos não são práticos, calçados com solas grossas e isolantes e palmilhas absorventes de choque podem aliviar o desconforto. O tapete antifadiga também pode ser útil onde quer que os trabalhadores tenham que ficar de pé ou andar. Eles fornecem um amortecimento que reduz a fadiga do pé. No entanto, o uso de tapetes requer cautela. Quando instalado incorretamente, eles podem levar o trabalhador a tropeçar e escorregar.

Pavimentos antiderrapantes especiais podem reduzir os incidentes de deslizamento. Se instalado corretamente, esses pisos são úteis, mas os trabalhadores podem achar que seus pés queimam e se sentem doloridos. As propriedades antiderrapantes da esteira de revestimento causam que seus sapatos agarrem ao chão fazendo os pés se deslizar para a frente dentro dos sapatos. Atrito dentro dos sapatos produz calor que cria dor e, eventualmente, calos. Uma palmilha antiderrapante pode reduzir esse desconforto.

Cuidados com os pés

Os pés estão sujeitos a uma grande variedade de distúrbios da pele e dos dedos. Os trabalhadores podem evitar muitos deles seguindo regras simples de cuidados com os pés:

  • Lave os pés diariamente com sabão, enxágue bem e seque, especialmente entre os dedos dos pés.
  • Corte as unhas dos pés em um nível adequado e não muito curto. Não corte nos cantos.
  • Use meias limpas e altere-as diariamente.
    Alguns pés suam mais do que outros e são mais propensos ao pé do atleta. Mais uma vez, seguir algumas orientações simples podem ajudar:
  • Selecione sapatos de couro ou tela e não materiais sintéticos.
  • Mantenha mais de um par de sapatos e os alterne diariamente.
  • Para alguns trabalhadores, podem ser recomendadas meias de algodão não coloridas, uma vez que os corantes podem causar ou agravar alergias cutâneas.
    Se os problemas persistirem, consulte um médico ou especialista em cuidados de saúde.
    Nos casos de unhas encravadas persistentes, calo, olho-de-peixe, infecção de fungos e condições mais graves, como pés chatos e artrite, consulte um médico e siga o conselho do médico.

Dicas para manter o EPI para proteção dos pés

A seguir vamos relacionar algumas dicas que podem ser importantes quanto ao uso do EPI para proteção dos pés.

  • Quando não estiver usando, guarde seu EPI para proteção dos pés em um local arejado, longe do calor e da umidade;
  • Use o EPI para proteção dos pés sempre amarrado;
  • Nunca use seu EPI para proteção dos pés como “chinelo”, ou seja, com o calcanhar para fora;
  • Jamais altere qualquer coisa no seu EPI para proteção dos pés como cotar, furar, costurar ou até mesmo pintar;
  • Não mantenha o calçado estocado por mais que 180 dias;
  • O prazo correto para estocagem dos calçados de borracha é de 12 meses;
  • Não faça uso contínuo de um mesmo par de calçados, isso evitará o surgimento de fungos, bactérias e do mau cheiro;
  • O suor absorvido pelo calçado deve ser eliminado naturalmente;
  • Nunca seque seu EPI para proteção dos pés junto a fontes de calor como secadoras de roupas, aquecedores, caldeiras, estufas, fogões e nem mesmo junto ao sol;
  • A forma correta de secagem do EPI para proteção dos pés é à temperatura ambiente e à sombra;
  • Use um pano úmido e limpo para a eliminação da sujeira acumulada do seu EPI para proteção dos pés;
  • Após a limpeza, aguarde enquanto ocorre a secagem natural à sombra, em seguida, aplique algum produto de engraxe ou de conservação específico para calçados de couro.

Considerações finais

Lembre-se: escolher e distribuir os EPIs para os trabalhadores representa apenas o início de um bom trabalho de prevenção. Para garantir a segurança dos seus colegas é preciso:

  • Fazer as entregas no tempo certo;
  • Monitorar o uso e as condições dos EPIs;
  • Treinar os trabalhadores quanto ao uso; e
  • Ter planos de ação eficazes para sanar os problemas e promover a melhoria contínua.

Para isso, você precisa de um software que lhe ajudar na gestão da segurança da sua empresa. A CM Center possui uma solução simples e completa a um preço muito acessível. Acesse agora mesmo e faça um “Test Drive” sem nenhum compromisso.

 

ACESSE AGORA!

Fonte:

Foot Protection – PPE

EHS Princeton University

U.S. Department of Labor

Canadian Centre for Occupational Health & Safety – Safety Footwear

Canadian Centre for Occupational Health & Safety – Foot Comfort and Safety at Work

University of Iowa – PPE – Foot Protection Information

EHS Today – Foot Protection

 

Entenda sobre o controle de distribuição de EPI

Print Friendly, PDF & Email

Os equipamentos de proteção individual (EPI) servem para proteger tanto o trabalhador quanto a empresa. Porém, para que tudo funcione bem, algumas rotinas devem ser estabelecidas e respeitadas. Ter um controle de distribuição de EPI pode ser importante para ações judiciais trabalhistas, principalmente em casos de acidentes ou processos trabalhistas.

Software para controle de EPIs
Software para controle de EPIs: Entrega, distribuição, estoque, treinamentos e avaliação

ENTENDA SOBRE O CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO DE EPI

Todo processo laboral submete o trabalhador a algum nível de risco. Sempre que possível, cabe a empresa tentar eliminar o risco na sua origem. Porém, algumas vezes, isso não se faz possível, então a empresa deve tentar tomar medidas para a proteção coletiva, ou seja, tentar isolar o risco. Essas medidas de proteção coletiva também são conhecidas como medidas de controle de engenharia. Quando nenhuma dessas ações eliminou a causa, então a empresa deve adotar os equipamentos de proteção individual (EPI).

O que o Ministério do Trabalho diz?

Quando a empresa toma a decisão de adotar algum EPI, ela automaticamente fica sujeita à norma regulamentadora NR-6 do Ministério do Trabalho. No seu item 6.3, ela esclarece:

6.3 A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias:

a) sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho;

b) enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; e,

c) para atender a situações de emergência.

Neste momento, já nos deparamos com a primeira questão: “Como a empresa prova que entregou gratuitamente os EPIs?”. A única resposta é: com um controle de distribuição de EPI.

Além disso, a NR-6 também diz o seguinte:

6.6.1 Cabe ao empregador quanto ao EPI:

a) adquirir o adequado ao risco de cada atividade;

b) exigir seu uso;

c) fornecer ao trabalhador somente o aprovado pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho;

d) orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservação;

e) substituir imediatamente, quando danificado ou extraviado;

f) responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica;

h) registrar o seu fornecimento ao trabalhador, podendo ser adotados livros, fichas ou sistema eletrônico.

O que fazer para atender a NR-6?

Com isso, surge mais uma série de perguntas, como:

  • Como a empresa comprova que adquiriu o EPI adequado ao risco? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • Como a empresa comprova que está exigindo o uso do EPI? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • Como a empresa comprova que o EPI fornecido foi aprovado por um órgão competente? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • Como a empresa comprova que o trabalhador foi treinado ao uso do EPI? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • Como a empresa comprova que os EPIs danificados estão sendo substituídos? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • Como a empresa comprova que os EPIs estão sendo higienizados e mantidos? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • E finalmente, como a empresa registra o fornecimento dos EPIs? – Com um controle de distribuição de EPI!

Definições do controle de distribuição de EPI

Para que a empresa, juntamente com o SESMT possam ter um bom controle de distribuição de EPI, antes de mais nada se deve definir:

  1. Quais EPIs devem ser distribuídos por cargo;
  2. Quais são os trabalhadores que exercem os cargos que requerem EPI;
  3. Para cada EPI requerido, quais são os fabricantes e modelos que atendem aos requisitos do risco;
  4. Para cada modelo de EPI, qual é a validade do seu certificado de aprovação (CA-EPI) junto ao Ministério do Trabalho;
  5. De quanto em quanto tempo o EPI deve ser trocado;
  6. Qual a validade do EPI impressa na embalagem;

Tarefas do controle de distribuição de EPI

Tendo tudo definido, cabe ao SESMT manter o controle de distribuição de EPI da seguinte forma:

  1. Identificar todo novo Trabalhador e aplicar o treinamento de cada EPI que ele for usar. Imprimir um certificado de participação, colher a assinatura e arquivar;
  2. Identificar os Trabalhadores que estiverem com treinamento vencido e aplicar o treinamento. Imprimir o certificado de participação, colher a assinatura e arquivar;
  3. Identificar os EPIs cuja validade estiver vencida, os EPIs danificados e os EPIs que já estiverem na hora de trocar. Comprar os EPIs, fazer a entrega, colher a assinatura e arquivar;
  4. Monitorar, periodicamente se os EPIs estão sendo usados e em bom estado. Caso não, substituir o EPI ou advertir o Trabalhador.

Esse é o dia a dia do SESMT quanto ao controle de distribuição de EPI. Porém, não se deve esquecer do controle de estoque de EPIs. Saber com antecedência o que se vai precisar é imprescindível para não deixar faltar nada.

Automatizando o controle de distribuição de EPI

Já se foi o tempo em que se fazia o controle de distribuição de EPI com o uso de um caderno ou com fichas de EPI. Hoje em dia, temos a tecnologia nos auxiliando na tarefa de controlar as atividades do SESMT de maneira muito simples, eficiente e econômica.

A CM Center, no seu software on-line de sistema de gestão de segurança do trabalho, tem, entre outros módulos, um que lhe ajuda no controle de distribuição de EPI. Faça agora mesmo um teste e veja como tudo ficou bem mais simples.

Não coloque mais em risco a vida e a saúde de seus colegas, acesse a CM Center agora mesmo e use a tecnologia a seu favor.

ACESSE AGORA!

Cuidar da vida dos seus colegas e da integridade da sua empresa vale muito. Não ponha tudo a perder confiando na sua memória ou em processos manuais.

 

Um abraço,

Alvaro Freitas

 

 

Posted in EPI