EPI para trabalho em Fundição: Dicas de como escolher

EPI para trabalho em Fundição: Dicas de como escolher

Print Friendly, PDF & Email

Fundições são locais quentes e perigosos para a saúde e a segurança do trabalhador. A escolha do EPI para trabalho em Fundição deve ser muito criteriosa. Os critérios devem considerar os riscos principais e os secundários. Neste artigo, daremos algumas dicas de como escolher o EPI para trabalho em Fundição.

 

Software para controle de EPIs
Software para controle de EPIs: Entrega, distribuição, estoque, treinamentos e avaliação

 

EPI para trabalho em Fundição

Na prática de segurança e saúde, a hierarquia dos controles especifica a eliminação do perigo. Outras estratégias de controle, como substituição, controles de engenharia, práticas de trabalho e controles administrativos também devem ser consideradas.

O EPI para trabalho em Fundição está frequentemente na parte inferior da hierarquia devido a problemas associados ao conforto, ajuste, aceitabilidade, confiabilidade e eficácia. Na verdade, problemas de confiabilidade e desempenho também estão associados aos controles de engenharia.

Em situações em que as exposições são geralmente controladas, o EPI para trabalho em Fundição é frequentemente usado pelas seguintes razões:

  • Quando outros controles falharem;
  • Em situações em que a variabilidade da exposição significa que possíveis sobre-exposições ocasionais são possíveis;
  • Como proteção adicional para reduzir as exposições abaixo dos níveis possíveis com outros controles;
  • Enquanto os controles de nível superior são implementados;
  • Enquanto se aguarda a verificação dos testes das ações recém implantadas;
  • Para aumentar outros controles.

 

O processo de Fundição de metais

A fundição é o processo de vazar metal líquido em um molde, que contém uma cavidade com a forma desejada, e depois permitir que resfrie e solidifique. A parte solidificada é também conhecida como peça fundida, que é ejetada do molde ou tem o molde quebrado para completar o processo.

A fundição é mais frequentemente usada para fazer peças complexas que seriam difíceis ou mais caras de se fazer por outros métodos. Os processos de fundição são conhecidos há milhares de anos, e amplamente utilizados em esculturas, especialmente em bronze, jóias em metais preciosos, armas e ferramentas. As técnicas tradicionais de fundição incluem a fundição por cera perdida, fundição por espuma perdida, fundição em coquilha e fundição em areia.

 

Avaliação de risco

Os requisitos de EPI para trabalho em Fundição devem ser baseados em uma avaliação de risco integrada ao Programa de Proteção contra Riscos Ambientais (PPRA).

Cada trabalho e atividade de trabalho relacionada devem ser avaliados.

A avaliação dos perigos deve ser revista quando os riscos de o trabalho mudarem e devem ser modificados conforme necessário. E deve ser documentado e revisado anualmente com a participação dos funcionários que fazem uso do EPI para trabalho em Fundição.

 

Treinamento de uso do EPI para trabalho em Fundição

Os funcionários que são obrigados a usar EPI para trabalho em Fundição ou roupas especializadas devem ser treinados em suas limitações, inspeção, uso, cuidados e armazenamento adequados.

Um funcionário deve ser treinado quando:

  • O trabalhador ingressa no cargo ou recebe o EPI para trabalho em Fundição pela primeira vez;
  • Os hábitos de trabalho ou o conhecimento demonstrado indicam a falta de compreensão, motivação e habilidades necessárias para usar o EPI para trabalho em Fundição (ou seja, uso indevido de EPI);
  • As mudanças no local de trabalho exigem treinamento atualizado (ou seja, quando os funcionários mudam de emprego ou novos equipamentos são introduzidos), ou as atualizações de EPI para trabalho em Fundição requerem treinamento mais avançado; e
  • Treinamento periódico de atualização.

 

Manutenção do EPI para trabalho em Fundição

O EPI para trabalho em Fundição deve ser instalado, usado, mantido, limpo e descartado corretamente. Em situações em que roupas ou equipamentos contaminados possam representar um risco para pessoas que não o usuário (por exemplo, pessoal de lavanderia ou de limpeza), devem receber informações adequadas sobre aviso de perigo.

 

Uso de acessórios

Usar adereços, incluindo joalheiras expostas ao corpo, deve ser proibida nas zonas de perigo.

O vestuário deve ser adequadamente dimensionado para não ser pego na maquinaria em movimento.

O cabelo comprido pode se enroscar em partes da máquina, como dispositivos de sucção, sopradores, correntes, correias e dispositivos rotativos. O cabelo deve ser mantido com um lenço, rede de cabelo, gorro macio ou puxado para trás.

 

Vestimenta

A roupa de proteção pode aumentar a carga de calor do trabalhador e aumentar a temperatura corporal. Um programa de estresse por calor pode ser necessário para gerenciar o risco potencial de estresse por calor.

 

Trabalho em altura

A proteção contra quedas pode ser necessária para atividades de trabalho realizadas em alturas acima de dois metros sem proteção, protetores ou poços próximos ou pisos abertos. Deve ser considerado para atividades como limpeza ou limpeza de atolamentos ou acesso a equipamentos.

 

Proteção primária

A proteção primária é definida como vestuário ou EPI para trabalho em Fundição projetado para atividades onde há exposição significativa a perigos, tais como chapas de metal fundido, calor radiante, chama, ruído ou partículas voadoras é provável que ocorra.

Todas as partes do corpo estão em risco na maioria das operações, mas o tipo de desgaste de proteção exigido variará de acordo com a localização. Isso deve ser considerado na hora da escolha do EPI para trabalho em Fundição.

Aqueles que trabalham em fornos precisam de roupas que protegem contra queimaduras. Para isso, considerar os seguintes EPI para trabalho em Fundição:

  • Macacões de material resistente ao fogo;
  • Perneiras resistente ao fogo;
  • Avental resistente ao fogo ou aluminizado;
  • Avental tipo barbeiro;
  • Botas de material resistente ao fogo;
  • Luvas de material resistente ao fogo;
  • Capacetes com protetores faciais ou óculos contra as faíscas voadoras e também contra o brilho.

A roupa de proteção precisa ter em conta os riscos para a saúde e o conforto do calor excessivo. O uso de material refletivo e aluminizado é bastante interessante.

 

Proteção secundária

No case de operações de derretimento e derramamento de metais fundidos, o EPI para trabalho em Fundição deve ser definido também para quem não está exposto continuamente.

A proteção secundária é definida como vestuário ou EPI para trabalho em Fundição projetado como proteção básica para uso contínuo em áreas onde a exposição intermitente aos perigos é possível.

O equipamento mínimo de especialização e equipamentos de proteção pessoal recomendados para todas as operações de derretimento e vazamento incluem a seguinte proteção (básica):

  • Meias 100% algodão ou lã;
  • Roupa íntima 100% de algodão;
  • Vestuário exterior 100% algodão ou lã;
  • Óculos de segurança com proteção lateral; e
  • Sapatos de segurança de couro com biqueira reforçada.

Além do EPI para trabalho em Fundição citado acima, pode ser necessária uma proteção auditiva ou respiratória, dependendo do grau de exposição potencial. Para os funcionários em uma zona de perigo (ou seja, perto de um forno ou concha contendo metal fundido ou outros perigos conhecidos) é necessária uma proteção primária adicional.

 

Considerações sobre Avaliação de Perigos

Ao fazer uma avaliação minuciosa do perigo para a escolha do EPI para trabalho em Fundição, independentemente de uma fundição estar despejando metais ferrosos ou não ferrosos, deve considerar o seguinte:

  • Presença de metal fundido em forno ou concha;
  • Temperatura do metal ou superfície quente;
  • O nível do metal e da área do corpo que pode ser afetado por respingos, faíscas, chamas ou superfícies quentes;
  • Proximidade ao metal fundido e às superfícies quentes (isto é, trabalhe dentro da zona de perigo em torno dos fornos de indução);
  • Material a ser manipulado (isto é, aditivos, blocos de refrigeração); e
  • Quantidade de metal que afetará o ambiente de trabalho.

 

Considerações finais

Lembre-se: escolher e distribuir os EPIs para os trabalhadores representa apenas o início de um bom trabalho de prevenção. Para garantir a segurança dos seus colegas é preciso:

  • Fazer as entregas no tempo certo;
  • Monitorar o uso e as condições dos EPIs;
  • Treinar os trabalhadores quanto ao uso; e
  • Ter planos de ação eficazes para sanar os problemas e promover a melhoria contínua.

Para isso, você precisa de um software que lhe ajudar na gestão da segurança da sua empresa. A CM Center possui uma solução simples e completa a um preço muito acessível. Acesse agora mesmo e faça um “Test Drive” sem nenhum compromisso.

 

ACESSE AGORA!

Fonte:

American Foundry Society (AFS): GUIDE FOR SELECTION AND USE OF PERSONAL PROTECTIVE EQUIPMENT AND SPECIAL CLOTHING FOR FOUNDRY OPERATIONS

Canal da Prevenção: MEDIDAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NA INDÚSTRIA SIDERÚRGICA

HSE – Health and Safety Executive: Molten metal protective clothing

The Metal Casting: Foundry Safety Equipment

 

Entenda sobre o controle de distribuição de EPI

Print Friendly, PDF & Email

Os equipamentos de proteção individual (EPI) servem para proteger tanto o trabalhador quanto a empresa. Porém, para que tudo funcione bem, algumas rotinas devem ser estabelecidas e respeitadas. Ter um controle de distribuição de EPI pode ser importante para ações judiciais trabalhistas, principalmente em casos de acidentes ou processos trabalhistas.

Software para controle de EPIs
Software para controle de EPIs: Entrega, distribuição, estoque, treinamentos e avaliação

ENTENDA SOBRE O CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO DE EPI

Todo processo laboral submete o trabalhador a algum nível de risco. Sempre que possível, cabe a empresa tentar eliminar o risco na sua origem. Porém, algumas vezes, isso não se faz possível, então a empresa deve tentar tomar medidas para a proteção coletiva, ou seja, tentar isolar o risco. Essas medidas de proteção coletiva também são conhecidas como medidas de controle de engenharia. Quando nenhuma dessas ações eliminou a causa, então a empresa deve adotar os equipamentos de proteção individual (EPI).

O que o Ministério do Trabalho diz?

Quando a empresa toma a decisão de adotar algum EPI, ela automaticamente fica sujeita à norma regulamentadora NR-6 do Ministério do Trabalho. No seu item 6.3, ela esclarece:

6.3 A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias:

a) sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho;

b) enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; e,

c) para atender a situações de emergência.

Neste momento, já nos deparamos com a primeira questão: “Como a empresa prova que entregou gratuitamente os EPIs?”. A única resposta é: com um controle de distribuição de EPI.

Além disso, a NR-6 também diz o seguinte:

6.6.1 Cabe ao empregador quanto ao EPI:

a) adquirir o adequado ao risco de cada atividade;

b) exigir seu uso;

c) fornecer ao trabalhador somente o aprovado pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho;

d) orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservação;

e) substituir imediatamente, quando danificado ou extraviado;

f) responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica;

h) registrar o seu fornecimento ao trabalhador, podendo ser adotados livros, fichas ou sistema eletrônico.

O que fazer para atender a NR-6?

Com isso, surge mais uma série de perguntas, como:

  • Como a empresa comprova que adquiriu o EPI adequado ao risco? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • Como a empresa comprova que está exigindo o uso do EPI? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • Como a empresa comprova que o EPI fornecido foi aprovado por um órgão competente? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • Como a empresa comprova que o trabalhador foi treinado ao uso do EPI? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • Como a empresa comprova que os EPIs danificados estão sendo substituídos? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • Como a empresa comprova que os EPIs estão sendo higienizados e mantidos? – Com um controle de distribuição de EPI!
  • E finalmente, como a empresa registra o fornecimento dos EPIs? – Com um controle de distribuição de EPI!

Definições do controle de distribuição de EPI

Para que a empresa, juntamente com o SESMT possam ter um bom controle de distribuição de EPI, antes de mais nada se deve definir:

  1. Quais EPIs devem ser distribuídos por cargo;
  2. Quais são os trabalhadores que exercem os cargos que requerem EPI;
  3. Para cada EPI requerido, quais são os fabricantes e modelos que atendem aos requisitos do risco;
  4. Para cada modelo de EPI, qual é a validade do seu certificado de aprovação (CA-EPI) junto ao Ministério do Trabalho;
  5. De quanto em quanto tempo o EPI deve ser trocado;
  6. Qual a validade do EPI impressa na embalagem;

Tarefas do controle de distribuição de EPI

Tendo tudo definido, cabe ao SESMT manter o controle de distribuição de EPI da seguinte forma:

  1. Identificar todo novo Trabalhador e aplicar o treinamento de cada EPI que ele for usar. Imprimir um certificado de participação, colher a assinatura e arquivar;
  2. Identificar os Trabalhadores que estiverem com treinamento vencido e aplicar o treinamento. Imprimir o certificado de participação, colher a assinatura e arquivar;
  3. Identificar os EPIs cuja validade estiver vencida, os EPIs danificados e os EPIs que já estiverem na hora de trocar. Comprar os EPIs, fazer a entrega, colher a assinatura e arquivar;
  4. Monitorar, periodicamente se os EPIs estão sendo usados e em bom estado. Caso não, substituir o EPI ou advertir o Trabalhador.

Esse é o dia a dia do SESMT quanto ao controle de distribuição de EPI. Porém, não se deve esquecer do controle de estoque de EPIs. Saber com antecedência o que se vai precisar é imprescindível para não deixar faltar nada.

Automatizando o controle de distribuição de EPI

Já se foi o tempo em que se fazia o controle de distribuição de EPI com o uso de um caderno ou com fichas de EPI. Hoje em dia, temos a tecnologia nos auxiliando na tarefa de controlar as atividades do SESMT de maneira muito simples, eficiente e econômica.

A CM Center, no seu software on-line de sistema de gestão de segurança do trabalho, tem, entre outros módulos, um que lhe ajuda no controle de distribuição de EPI. Faça agora mesmo um teste e veja como tudo ficou bem mais simples.

Não coloque mais em risco a vida e a saúde de seus colegas, acesse a CM Center agora mesmo e use a tecnologia a seu favor.

ACESSE AGORA!

Cuidar da vida dos seus colegas e da integridade da sua empresa vale muito. Não ponha tudo a perder confiando na sua memória ou em processos manuais.

 

Um abraço,

Alvaro Freitas

 

 

Posted in EPI